O mistério da pedra rejeitada

18/05/2017 - 09:30

A conversa que teve no dia anterior com um jovem gravemente doente foi revelada pelo Papa Francisco durante a missa de Páscoa, celebrada na praça de São Pedro na manhã de 16 de abril de 2017. Pela primeira vez durante este rito o Pontífice pronunciou a homilia. Eis a sua transcrição.

Hoje a Igreja repete, canta, clama: “Jesus ressuscitou!”. Mas como? Pedro, João, as mulheres foram ao Sepulcro e viram-no vazio, Ele já não estava lá. Voltaram com o coração apertado pela tristeza, a tristeza de uma derrota: o Mestre, o seu Mestre, que amavam muito tinha sido executado, morreu. E da morte não se volta. Esta é a derrota, este é o caminho da derrota, a via para o sepulcro. Mas o Anjo disse-lhes: “Não está aqui, ressuscitou”.

Foi o primeiro anúncio: “Ressuscitou”. E depois a confusão, o coração apertado, as aparições. Mas os discípulos permanecem fechados o dia inteiro no Cenáculo, porque tinham medo que acontecesse a eles o mesmo que aconteceu a Jesus. E a Igreja não cessa de dizer às nossas derrotas, aos nossos corações fechados e temerosos: “Parem, o Senhor ressuscitou”. Mas se o Senhor ressuscitou, como existem essas situações? Tantas desgraças, doenças, tráfico de pessoas, guerras, destruições, mutilações, vinganças, ódio? Mas onde está o Senhor?

Ontem telefonei a um jovem que sofre de uma doença grave, um rapaz culto, engenheiro, e falando, para dar um sinal de fé, disse-lhe: “Não há explicações para o que te acontece. Olha para Jesus na Cruz, Deus fez isto com o seu Filho, e não há outra explicação”. E ele respondeu-me: “Sim, mas Ele perguntou ao Filho, o qual disse sim. A mim não perguntou se eu queria”. Isto comove-nos, não pergunta a nenhum de nós: “Mas estás contente com o que acontece no mundo? Estás disposto a carregar esta cruz?”. E a cruz vai em frente, e a fé em Jesus diminui. Hoje a Igreja continua a dizer: “Para, Jesus ressuscitou”. Isto não é imaginação, a Ressurreição de Cristo não é uma festa com muitas flores. É bonito, mas não é só isto, é mais: é o mistério da pedra descartada que acaba por ser o fundamento da nossa existência. Cristo ressuscitou, eis o que significa.

Nesta cultura do descartável na qual o que não serve é usado e deitado fora, o que não serve é descartado, aquela pedra — Jesus — foi descartada e é fonte de vida. E também nós, pedrinhas pelo chão, nesta terra de dor, de tragédias, com a fé no Cristo Ressuscitado ganhamos um sentido no meio de tanta calamidade. O sentido de olhar para além, o sentido de dizer: “Olha não há muros mas horizontes, há vida, alegria, a cruz com esta ambivalência. Olha para a frente, não te feches. Tu pedrinha, tens um sentido na vida porque és uma pedrinha junto daquela pedra, a pedra que a malvadez do pecado descartou”. Que nos diz a Igreja hoje diante de tantas tragédias? Isto, simplesmente. A pedra descartada não resulta deveras descartada. As pedrinhas que acreditam e se apegam àquela pedra não são descartadas, ganham um sentido e com este sentimento a Igreja repete do fundo do coração: “Cristo ressuscitou”.

Pensemos um pouco, cada um pense, nos problemas diários, nas doenças que vivemos ou que um dos nossos parentes sofre; pensemos nas guerras, nas tragédias humanas e, simplesmente, com voz humilde, sem flores, sozinhos, diante de Deus, diante de nós, digamos: “Não sei como vai isto, mas estou certo de que Cristo ressuscitou e aposto nisto”. Irmãos e irmãs, era o que desejava dizer-vos. Voltai para casa hoje, repetindo no coração: “Cristo ressuscitou”.

Papa Francisco

Fonte: L’OSSERVATORE ROMANO, ano XLVIII, número 16 (2461), p. 6