Santa Rita De Cássia

A A
Santa Rita de Cássia
PADROEIRO
22 de Maio

Data da fundação

21/10/1968
Vigário Paroquial
Frei Caio Márcio Moraes
Pároco
Frei Maciel Alves Bueno
Vigário Paroquial
Frei Rodrigo Vieira da Silva
Assistente Pastoral
Diácono Permanente Reinaldo Bonatti
Uso de Ordem
Frei William Micheleto da Silva
Vigário Paroquial
Padre Nelson da Silva Santos

Setor

Vila Maria

Endereço

 Rua Fritz Jank , 40 , Parque Novo Mundo

Contato

 (11) 2954-0652
 (11) 2631-3732
 (11) 2955-0516
 Atendimento da secretaria
De segunda a sexta-feira
08
00
12
00
De segunda a sexta-feira
14
00
17
00
Sábado
08
00
12
00
Breve história 

O inicio da nossa paróquia de Santa Rita de Cássia se deu assim:

 O terreno da Igreja foi doado pela D. Adolorata Fanganiello. A localização deste terreno se encontra no Parque Novo Mundo na quadra H-lotes 1,2,15,16 e 17 ( no Jardim São Francisco ). É propriedade da Sociedade Social e Educacional Agostiniana da Ordem de Santo Agostinho - Província Agostiniana de Malta. A paróquia foi erigida canonicamente no dia 21 de outubro de 1968, tendo como padroeiro São Francisco de Assis. Os Padres agostinianos tinham pedido o nome de Santa Rita de Cássia como padroeira, mas aconteceu que por causa do nome da área dedicado a São Francisco, este ficou sendo o padroeiro. No entanto no dia 20 de fevereiro de 1969, a Cúria Metropolitana de São Paulo retificou o nome nestes termos : " por decreto assinado por Sua Eminência, o Sr Arcebispo Metropolitano, fica modificado o orago da Paróquia de São Francisco de Assis do Parque Novo Mundo, passando a "Santa Rita de Cássia", de conformidade com o Sr. Vigário Episcopal, Dom Paulo Evaristo Arns. Dado e passado em nossa Cúria Metropolitana aos 20 de fevereiro de 1969". Este documento foi assinado pelo Vigário Geral Dom José Lafayette e pelo Chanceler Metropolitano P. Hugo Munari.

 

No dia 28 de março de 1969 chegou o primeiro pároco, o Frei Paulo M. Spiteri OSA. O Frei Paulo chegou de Paranaíba-MS, onde os Padres Agostinianos tinham a sua missão. Depois da Páscoa daquele ano, justamente no dia 11 de abril chegou o companheiro do Frei Paulo, o Padre Adeodato C. Schembri OSA, este também membro da Província Agostiniana de Malta. O Frei Adeodato chegou de Belo Horizonte -MG, onde ele estava estudando a língua portuguesa e participando de um curso catequético no ISPAC ( Instituto Superior de Pastoral Catequética ) em Belo Horizonte. Lá, ele trabalhava como vigário paroquial com Frei Ricardo Attard na Paróquia de São José Operário" no bairro Aarão Reis.

O início foi muito duro. A comunidade religiosa agostiniana veio morar aqui sem as condições básicas de uma nova paróquia. Não existia igreja nem uma capela sequer, não tinha casa paroquial. Foi alugada uma casa simples e humilde com um quarto, uma sala, cozinha e um banheiro. A sala servia como quarto do Frei Adeodato. O local das celebrações foi a garagem de D. Matilde e do Dr. Cláudio Alvarenga, sito na Rua Dr. Vidal Reis.

 

As refeições inicialmente foram sempre na casa do referido casal, que ao passar dos dias, os Frades achavam por bem ter as refeições em casa. Quando chovia nesta área tudo ficava alagado por dias e dias. O Sr. Tullio Caserta, morador nesta comunidade comprou dois pares de botas para os Frades para que eles pudessem amassar o barro e atravessar as ruas até chegarem à garagem. Enquanto isso alguns problemas começaram a aparecer. Desentendimentos com o pessoal mais chegado com os Frades, obrigou-os a tomar decisões mais sérias. O problema era quem seria Presidente da comissão da Igreja. O que seria feito para que os Frades tivessem mais independência na sua vida religiosa e mais autonomia? Foi feita uma reunião de emergência com o Dom Paulo Evaristo Arns, e, no dia 24 de outubro de 1969, Dom Paulo esteve presente na reunião da eleição da primeira diretoria da Paróquia. A comissão foi composta com os seguintes membros : Sr. Manuel de Araújo como presidente; Sr. Mario Noia como vice-presidente; Sr Expedito Aguiar como o primeiro secretário; o Frei Adeodato como o primeiro tesoureiro; o Sr. Dorival de Amaral como o segundo tesoureiro. Outras seis pessoas foram escolhidas como conselheiros. O Frei Paulo M. Spiteri ficou com o diretor espiritual da Comissão e representante do Sr. Bispo. Neste dia foi decidido que a comissão iniciasse a construção de uma capela provisória, e se estivesse pronta até o dia de Natal, o Dom Paulo estaria aqui para inaugurá-la com a celebração da Santa Missa. Dito e feito! A comissão iniciou a construção no dia 27 de outubro de 1969. Feita a compra de alguns milhares de tijolos, o presidente da comissão, o Sr. Manuel de Araújo, e o Sr. Pedro Martins começaram, eles mesmos, o alicerce e construção da capela. Muitas outras pessoas deram uma mão. Alguns recebiam pelos serviços, mas a maioria não. A chuva atrapalhou bastante o andamento da construção e no tempo bom a turma trabalhava sem perder tempo.

 

Dezembro chegando e a turma firme trabalhando e angariando material. D. Adolorata doou o telhado da capela, a irmã Arminda do Colégio Santana, doou 10 bancos e algumas portas, os padres da Igreja da Candelária doaram os dois vitrôs grandes, a porta principal foi doada pela Da. Genoveva, irmã da D. Adolorata. O Frei Paulo recebeu também um donativo de sua família de Malta, para a compra de um aparelho de som.

 

Dia 25 de dezembro de 1969 a capela está pronta! Dom Paulo Evaristo Arns cumpriu a sua promessa. Ele veio para abençoar e inaugurar a Capela de Santa Rita de Cássia. A festa foi grande. Dom Paulo chegou às 9h em ponto como combinado. O povo estava ao lado da capela muito cedo. Muita gente. A banda da igreja de N.Sra da Candelária tocava músicas religiosas. Na chegada de Dom Paulo alguns membros da comissão soltavam fogos anunciando o grande dia da paróquia.

Os padrinhos da Capela foram D. Adolorata, Sr D.E. Collier, Dr. V.C.P. Flores e sua esposa Da. Olga. Estavam presentes os representantes provinciais da Ordem Agostiniana no Brasil. O vice-provincial Frei Carmelo Manzanares OSA e o provincial Frei José Lopes OSA da Província de Espanha estavam também concelebrando neste dia de festa para a família agostiniana. Durante a missa foi feita também a Primeira eucaristia de 25 crianças.   Na sua homilia, Dom Paulo falou o quanto ele e toda a Arquidiocese de São Paulo estavam admirados com o trabalho religioso e social que a comunidade de Santa Rita de Cássia vinha desempenhando. Pediu a todos maior colaboração e mais entrosamento entre todos os leigos empenhados na evangelização.

 No final da missa, o Frei Paulo Spiteri OSA, em nome do Frei Agostinho Trapé OSA, Superior Geral da Ordem de Santo Agostinho, entregou o diploma da Afilhação à Ordem para D. Adolorata.Depois da inauguração da Capela foi feita uma festinha com lanche e refrigerantes no salão do Clube de Flamengo.

 
 

 

Paróquia a qual faz parte 
Paróquia Santa Rita De Cássia
Lugar - VF - Categoria e Nome 
Matriz Paroquial Santa Rita De Cássia

Missas

Segunda-feira
15
30
Segunda-feira
19
30
Terça-feira
19
30
Quinta-feira
19
30
Sexta-feira
19
30
Sábado
18
00
Domingo
08
00
Domingo
10
00
Domingo
18
00

Sacramentos

Batizados

O que é sacramento?

Sacramento é um sinal visível de uma graça invisível e tem sua origem na vida e nas palavras de Jesus, ou seja, os Sacramentos celebram o mistério da Morte e Ressurreição do Senhor, unem o povo de Deus e exigem certas respostas daqueles que celebram: a fé em Jesus Cristo, a conversão, o compromisso. Somente assim a graça de Deus pode ser eficaz.

O que é o sacramento do Batismo?

Batismo é o fundamento de toda a vida cristã, a porta de entrada para a vida na comunidade e o acesso aos demais sacramentos. Pelo batismo somos libertados do pecado e regenerados como filhos de Deus, tornando-nos membros de Cristo, somos incorporados à Igreja e Participantes de sua missão.

Quem pode receber o Batismo?

Pode receber o Batismo qualquer criança que não tenha sido batizada. A partir dos sete anos, a pessoa não batizada deve preparar-se, através da Catequese Paroquial, para receber esse sacramento.

Qual é a missão do Padrinho e da Madrinha?

O Padrinho e a Madrinha tem dupla responsabilidade:

   1. orientar o(a) afilhado(a) no crescimento da fé, isto é, se os pais são indiferentes em relação a vida espiritual do filho, a função do padrinho e da madrinha é de intervir e/ou substituir os pais nesta missão.
   2. amparar o afilhado em caso de doença grave ou de necessidade materiais de seus pais.

Para padrinho e madrinha devemos escolher:
 

Pessoas católicas e participantes da comunidade
Que sejam batizadas, crismados e tenham feito a Primeira Eucaristia
Pessoas que tenham no mínimo 16 anos e/ou que não sejam idosas
Pessoas que possuam laços fortes de amizade com a família
Pessoas casadas no religioso ou solteiras desempedidas

Onde a criança deve ser batizada?

A criança deve ser batizada na comunidade onde os pais freqüentam. Caso se deseja realizar o batizado em outra Paróquia ou comunidade deve-se conversar com o Padre da comunidade de origem e pegar com ele uma autorização por escrita.

É importante dar atenção à escolha do nome da criança?

Claro, o nome é como uma identidade pessoal. Ele marca a pessoa para a vida toda. Por isso, é necessário escolher nomes que tenham um significado especial para os pais ou para a própria criança e não somente porque tal nome está na moda, ou é de um artista ou personagem de televisão, ou nomes que representam outra fé, que não a católica.

Quais os documentos necessários para o batismo?

São necessários a Certidão de Nascimento da criança e o comprovante da preparação de Batismo dos pais e padrinhos.

Ser batizado ou não, faz diferença?

''...a maior graça que alguém pode receber na terra''

É através do Batismo que participamos da Redenção que Jesus nos conquistou com o Seu precioso sangue. Tanto assim, que Ele disse aos Apóstolos, pouco antes de sua Ascensão ao Céu: "Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado" (Marcos 16,16).

Pelo pecado de Adão e Eva, a humanidade se separou de Deus, e experimentou a danação, já que Deus é a fonte da vida do homem.

Jesus veio para "tirar o pecado do mundo" (João 1, 29) e recolocar o homem em comunhão com Deus.

Ele fez isso pela sua Paixão e Morte de Cruz, e deixou a Igreja e os Sacramentos para que esta salvação chegue a cada pessoa.

O Batismo é exatamente este primeiro sacramento que nos faz "membros do Corpo de Cristo" (conf. I Coríntios 12, 27) e participantes de Seus méritos. Assim, ser batizado, é fazer parte de Jesus, é ser membro de Sua Igreja, é ser filho de Deus adotado por Jesus Cristo, é ter o Céu por herança, e ter Maria como Mãe. Logo, ser batizado faz muita diferença!

Ser batizado é a maior graça que alguém pode receber na terra; por isso, a Igreja não quer que ninguém fique sem o Batismo; e a criança, pela fé dos pais e padrinhos, deve logo ser batizada.

Crisma

Aos Domingos  8:00 H No Salão Paroquial.

 

Curso para noivos

NORMAS PASTORAIS PARA O SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO

Caros noivos, para que a Celebração do Sacramento do Matrimônio seja um momento festivo e religioso, a nossa Comunidade Paroquial estabelece as seguintes Normas Pastorais que devem ser observadas.

 

1- Antes de ser marcado o Casamento, no mínimo três meses de antecedência, os Noivos devem providenciar:
o Processo de Habilitação Matrimonial na Paróquia onde residem;
 o Processo de Habilitação para o Casamento Civil no Cartório competente* todos os documentos religiosos exigidos, como a Certidão de Batismo e outros.

2- O Matrimônio só poderá ser realizado depois que os Noivos:
participarem do Encontro com Noivos.

 

3- As Noivas não devem se atrasar, e se o atraso existir o casamento poderá ser realizado após o casamento do horário seguinte. Não se esqueçam que atrasar é falta de respeito para com os convidados, com o Noivo e também para com o Padre ou Diácono que assistirá o casamento.

4- No dia do casamento seguir as orientações:
 o Noivo deverá trazer a cópia da certidão de casamento civil;
 não esquecer as alianças;
 comunicar a Secretaria Paroquial com antecedência caso os Noivos queiram comungar no dia do casamento;
 um casal de padrinhos de cada lado (noivo e noiva), deverá chegar á Igreja com 30 minutos de antecedência para assinar a ata do casamento, de preferência padrinhos casados no religioso;
 orientar as madrinhas a usarem trajes adequados para o momento.

Estas normas procuram garantir uma igualdade para todos os casamentos e evitam desconforto tanto para a Igreja como para vocês que nos procuram. Esperamos poder contar com a compreensão e colaboração de vocês e suas famílias, e desejamos que o seu casamento seja uma verdadeira festa, santa e cheia de felicidade

Primeira eucaristia

Aos Sábados encontros aqui no salão de nossa paróquia.

Confissões