Imposição do pálio de Arcebispo

Em Sorocaba
Publicado em: 06/07/2017 - 09:45
Créditos: Redação

Dom Julio recebe o pálio de arcebispo do Núncio Apostólico

Créditos: Pascom Itapeva

Na tarde deste domingo (02) na Catedral Metropolitana de Sorocaba, aconteceu à cerimônia de Imposição do Pálio recebido pelo Arcebispo Dom Júlio Endi Akamine das mãos do Papa Francisco no último dia 29.

A Imposição do Pálio foi realizada pelo Núncio Apostólico no Brasil Dom Giovanni D’Aniello.

Estiveram presentes à celebração os bispos da Província de Sorocaba, Dom José Bertanha, bispo de Registro, Dom Gorgônio Alves, bispo de Itapetininga, Dom Vicente Costa, Bispo de Jundiaí, Dom Arnaldo Carvalheiro Neto, bispo de Itapeva além de Dom José Moreira de Melo, bispo Emérito de Itapeva.

O Arcebispo Emérito de Sorocaba Dom Eduardo Benes Sales. também se fez presente à celebração além de autoridades locais e muitos fiéis.  Da Arquidiocese de São Paulo estiveram presente o Vigário Episcopal Padre Jorge Pierozan, Padre Antonio F. Ribeiro Coordenador de Pastoral e Padre João Deschamps secretário executivo do Regional Sul 1 e pároco da Paróquia Santo Antonio no Rio Pequeno

A cerimônia também celebra os 25 anos da Arquidiocese de Sorocaba, que tem Dom Júlio Endi como seu terceiro Arcebispo.

 

O Pálio começou a ser imposto aos arcebispos no pontificado de João Paulo II. Do latim pallium (manto), é confeccionado a partir da lã de duas ovelhas abençoadas pelo Papa na memória litúrgica de Santa Inês, a 21 de janeiro, e consiste em duas tiras de lã ornadas de seis cruzes tecidas em negro. O Arcebispo o usa sobre os ombros, tendo uma tira pendente no peito e outra nas costas. Esta forma e a matéria do qual é feito indicam a missão de pastor do Arcebispo, que carrega a ovelha aos ombros. O Arcebispo torna-se, assim, solícito também para com as dioceses vizinhas, sobretudo no caso de vacância (morte ou renúncia do bispo). Por isso, o Arcebispo pode usar o pálio em todas as celebrações em que preside ou concelebra em sua Arquidiocese ou nas suas dioceses sufragâneas. Esta insígnia também indica a comunhão do Arcebispo com o Sumo Pontífice e com a Sé de Pedro. Por isso, após a confecção do pálio, este é depositado junto ao túmulo de São Pedro (abaixo do Altar da Confissão, na Basílica Vaticana, em Roma) até a Solenidade de São Pedro e São Paulo, quando então é entregue pelo Papa aos arcebispos.