Maria, ensina-nos a rezar

24/05/2017 - 11:15

Por iniciativa especial da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), estamos comemorando o Ano Mariano Nacional, de 12 de outubro de 2016 a 12 de outubro de 2017. É uma ocasião especial para o aprofundamento da nossa fé e da nossa relação filial e eclesial com Maria, “Mãe de Deus e nossa”. Maria é a perfeita discípula de Jesus. Mulher de fé e de oração.

Nas Bodas de Caná, Maria ensina-nos a pedir e confiar em Jesus: “Eles não têm vinho! (…). Fazei tudo o que Ele vos disser! ’” (Jo 2, 3.5). Confiança absoluta na vontade do Senhor. Maria simplesmente apresenta as necessidades dos noivos, não pressiona Jesus com uma possível solução. Maria não disse a Jesus: ‘Faltam cinquenta litros de vinho’ (…). Tão somente apresentou a necessidade dos noivos, naquele momento; como resposta, Jesus transformou seis talhas de pedras em vinho, aproximadamente seiscentos litros! Deus é generoso, dá sempre mais do que ousamos pedir. Observemos outra passagem bíblica, a parábola do semeador (cf. Mt 13, 4-8): o agricultor desperdiça a semente sobre as pedras, pelos caminhos, pelos espinheiros (…). Um agricultor experiente jamais faria isso, reservaria seu grão apenas para a terra boa. Deus não (…); ele lança a semente por toda parte, mesmo nos espinheiros, mesmo em terreno pedregoso (…). Deus é misericordioso, acredita em nossa conversão (…). Como discípula fiel, Maria simplesmente diz: “Eles não têm vinho” e nada mais!

Outro detalhe importante deste episódio: coragem para confiar na Palavra de Deus. Jesus pediu que os servos enchessem as talhas de água (cf. Jo 2, 7). Eles, no momento, não compreenderam, mas obedeceram, encheram as talhas até à borda. Também nós, às vezes, não compreendemos tantas coisas que acontecem em nossa vida e questionamos o Senhor: Por quê rezar (…)? Por quê tanto sofrimento (…)? Por quê o Senhor demora a atender nossos pedidos (…)? Os servos acolheram em espírito de fé aquilo que, no momento, eles também não conseguiam compreender. Isto nos ensina que a fidelidade à Palavra de Deus é um valor fundamental para nós, cristãos. Muitas coisas, agora não compreendo, mas acolho em espírito de fé!

O episódio da Bodas de Caná é também um exemplo inequívoco da solicitude maternal de Maria, que se mostra sensível às nossas necessidades, por mais simples que sejam. O evangelho das Bodas de Caná revela como Maria exerce uma mediação discreta e eficaz para que Jesus intervenha, mesmo ao preço de ‘antecipar sua hora’, de fazer algo aparentemente tão banal quanto suprir a falta de vinho em uma festa. A Virgem Maria, na Igreja, é mais uma fonte de confiança para nós; sua mediação maternal junto a Cristo é uma ação discreta e eficaz, no sentido de fazer com que o Senhor esteja presente no banal e no cotidiano. Naquelas questões que tendemos a crer que não interessam a Deus, que parecem distantes de sua missão salvífica dentro da história.

Por isso, digamos hoje e sempre: “Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora de nossa morte”!

Dom José Roberto Fortes Palau 
Bispo Auxiliar da Arquidiocese de São Paulo
na Região Episcopal Ipiranga