Arrendatários - Raul de Amorim

17/03/2017 - 00:15

Mt.21,33-43.45-46

Os chefes dos sacerdotes, os anciãos e os fariseus se consideravam os donos de tudo e achavam que ninguém podia fazer nada sem a permissão deles. Jesus procura desfazer essa ideia. O evangelho de hoje conta a parábola dos agricultores assassinos.

Mt.21,33-39: Escutem outra parábola. Um proprietário plantou uma vinha...

Jesus tirou muitas histórias do cotidiano da vida. Como se hoje tirássemos as parábolas dos tele-jornais do dia. A parábola lembra a história de Israel, tirada do profeta Isaías (Is. 5,1-7). Aqui, a vinha é símbolo da aliança amorosa de Deus com o seu povo, que deveria traduzir-se em frutos da justiça do Reino.

O grupo de lavradores que matam os enviados representa a infidelidade daqueles que fecham os ouvidos aos chamados de Deus e tornam a história lugar de corrupção e violência. O profeta Jeremias diz: “Desde o dia em que seus pais saíram da terra do Egito até hoje, todos os dias, estou mandando para eles, sem cansar, meus servos, os profetas. Mas não obedeceram a eles, nem deram ouvidos; ao contrário, endureceram ainda mais a nuca e tornaram-se piores que seus pais.” (Jr.7,25-26)

Mt.21,40-41: “Quando o dono da vinha vier, o que fará com esses agricultores? Responderam-lhe: “Mandará matar de modo violento esses malvados e arrendará a vinha a outros agricultores que lhe entregarão os frutos no tempo certo.”

Parece que até agora eles não se deram conta de que a parábola estava falando deles mesmos. Por isso, pela resposta dada, eles decretaram sua própria condenação. É bom lembrar que essas autoridades, em geral, eram grandes proprietárias de terra. Jesus os denuncia como aqueles que se mostram gananciosos e assassinos, e avançam a qualquer custo sobre o que não lhes pertence.

Os sacerdotes, os fariseus e os anciãos com a resposta que deram estavam bebendo do próprio veneno! Essa denúncia fica como advertência à comunidade dos discípulos de ontem e de hoje: Ninguém pode apropriar-se do monopólio do Reino, cujo testemunho, pelo contrário, se dá em qualquer lugar onde aparecem e são compartilhados os seus frutos.

Mt.21, 42-43: Jesus lhes disse: Vocês nunca leram isto nas Escrituras: ”A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra que sustenta a construção; pelo Senhor foi feito isso, e é maravilhoso aos nossos olhos? Por isso eu lhes digo: O Reino de Deus será tirado de vocês e será entregue a um povo que o fará frutificar”.

Jesus cita o salmo (Sl. 118, 22-23) para esclarecer o que estava falando. Ele é a pedra que sustenta a nova construção. Ele é o fundamento da vinha dos novos agricultores.

Mt.21,45-46: Os chefes dos sacerdotes e os fariseus, ouvindo essas parábolas, compreenderam que Jesus estava falando deles. Então, procuraram prendê-lo, mas tiveram medo do povo.

Não adiantou, eles não quiseram se corrigir. Pelo contrário! Mantiveram o projeto de matar Jesus. Rejeitaram “a pedra fundamental”. Mas não tiveram coragem fazê-lo abertamente porque tinham medo do povo.